O doce som das boas-vindas

 Apresentações musicais embalam registro acadêmico

A música tem o poder de eternizar emoções. Para jovens estudantes a lembrança dos primeiros dias na Universidade de Brasília vai remeter aos shows na ala sul do Instituto Central de Ciências. É ali, no mais simbólico dos prédios da instituição, que artistas têm se apresentado nos dias agendados para o registro acadêmico. O pequeno palco foi montado com o cuidado de não interferir no fluxo de pessoas, e o som tem volume controlado para não incomodar.

“Olha, pai! Estão tocando Marisa Monte”, disse surpresa a caloura de Enfermagem Yasmmin Linda de Oliveira. Satisfeita com o acolhimento da instituição e dos futuros colegas, que já entraram em contato pelo Facebook, ela disse que “com música tudo fica melhor”. Éderson José de Oliveira, o pai, também aprovou o registro musical. “Gostei muito. Achei bom o repertório”, disse, após elogiar a organização do registro.

Já na reta final da graduação em Física, o estudante João Lucas Fragoso assistiu à apresentação da cantora Patrícia Soares, também discente da Universidade. “É muito bacana para quem está entrando. Acho que ajuda muito na interação com os outros alunos”, afirmou. “Uma pena que na minha época não tinha isso”.

Dona de voz suave e marcante, Patrícia, que está no segundo semestre de Geofísica, mescla músicas consagradas da MPB a composições próprias. Autodidata, estuda violão erudito e gosta dos demais instrumentos de corda como a guitarra utilizada na apresentação. “Esse momentos são importantes para que os novos alunos saibam que a universidade vai muito além da sala de aula”, disse. “Foi muito legal. Nunca tinha me apresentado assim”, explicou ao garantir que se sentiu mais segura pela presença de amigas.

TALENTOS – Os primeiros três dias de shows (3, 6 e 7 de fevereiro) contaram com jovens promessas brasilienses e músicos com mais tempo de estrada. Todos eles vinculados à UnB. Uma das atrações que empolgaram o público foi a das sambistas do Trio à Brasileira, da estudante de música Mariana Sardinha. O grupo entoou canções populares e fez o ICC dançar.

A primeira semana de março trará novas oportunidades para apreciar os shows com talentos da Universidade. Entre as próximas atrações estão a cantora e técnica-administrativa Lizie Câmara, a banda Violeta Groove, do professor da Faculdade UnB Gama Wander Cleber, e da Bateria Tijolada, do Centro Acadêmico de Engenharia Civil. Confira a programação completa.

ORGANIZAÇÃO – A programação artística faz parte das atividades de boas-vindas da UnB e é de responsabilidade da Diretoria de Esporte, Arte e Cultura (DEA/DAC). Coube à unidade a chamada pública e a seleção de artistas, além da montagem da estrutura para os shows. “O desafio é mobilizar a comunidade para se envolver em um projeto que não tem recursos próprios. O apoio de servidores, estagiários e voluntários é fundamental”, avalia Camila Louise, que assumiu na semana passada o cargo de chefe do Serviço Artístico Cultural, ocupado até então pelo servidor Magno Assis, agora lotado na Diretoria da Diversidade (DIV/DAC).

A produtora cultural Lorena Bicalho atuou como mestre de cerimônia das apresentações e pôde sentir de perto o calor da plateia. “É diferente de um show comum. O público é bem rotativo, mas percebi que as pessoas gostavam bastante. Algumas até se emocionavam”, relata.

“Tem muita gente elogiando. Acho que essa é uma ótima forma de ocupação cultural da universidade. É um espaço que se abre para a arte e para a convivência”, avalia o estagiário da DEA Daniel Teixeira. Graduado em Comunicação Organizacional e estudante de Artes Plásticas na UnB, ele tem auxiliado na montagem e operação dos equipamentos de som.
As ações de boas-vindas da UnB continuam ao longo do semestre e são coordenadas por comissão com representantes da DEA/DAC, dos decanatos de Ensino de Graduação e de Extensão e da Secretaria de Comunicação.